Alimentação saudável e equilibrada na criança - Trofa Saúde Skip to main content

Alimentação saudável e equilibrada na criança

publicado em 11 Set. 2022

“O seguimento da obesidade infantil na consulta de nutrição está associado a uma enorme taxa de sucesso, dadas as características particulares do metabolismo da criança. Contudo, a dificuldade está, precisamente, na exigência da mudança de hábitos e de comportamentos, muitas vezes já enraizados na família.”

Em Portugal, cerca de 30% das nossas crianças em idade pediátrica apresentam excesso de peso ou obesidade. A ocorrência da obesidade infantil apresenta um forte poder preditivo da sua prevalência na idade adulta, sobretudo quando esta persiste durante a adolescência.

 

Por outro lado, os encarregados de educação são o modelo que as crianças tendem a imitar, havendo uma forte associação entre a obesidade da criança e a obesidade dos progenitores. A prevenção da obesidade infantil exige, por isso, uma grande participação e articulação entre a família e as creches ou escolas, assentes na modificação comportamental e no fomento de hábitos saudáveis, como, por exemplo:

  • realizar, sempre que possível, as refeições em família com a vigilância da mesma no que respeita às porções e à qualidade das refeições;
  • oferecer sempre, no início das principais refeições, um bom prato de sopa, de forma a facilitar a ingestão diária de
    vegetais, legumes e leguminosas, não esquecendo a presença destes alimentos também no prato da criança;
  • incluir 2 a 3 peças de fruta, preferencialmente da época, ao longo do dia, nas diferentes refeições;
  • garantir o consumo de leite e derivados, como iogurtes e queijos;
  • estimular o consumo de água, como bebida de eleição;
  • incentivar a prática diária de atividade física de intensidade moderada, nomeadamente a prática de um desporto e limitar o tempo em frente a um ecrã (televisão, telemóvel, tablet, computador ou jogos) a 1-2 horas/dia;
  • evitar snacks ou aperitivos muito calóricos, ricos em gorduras saturadas e açúcares livres entre refeições;
  • limitar o consumo de guloseimas, doces, sumos e refrigerantes apenas a ocasiões especiais, pois, além de promover o excesso de peso, aumenta a probabilidade de a criança desenvolver doenças hepáticas e cáries dentárias.

 

Efetivamente, a alimentação na infância tem um papel determinante no crescimento e desenvolvimento da criança, sendo neste período que se moldam gostos, preferências e hábitos alimentares que contribuirão para um bom desenvolvimento e que se manterão na idade adulta.

 

O seguimento da obesidade infantil na consulta de nutrição está associado a uma enorme taxa de sucesso, dadas as características particulares do metabolismo da criança. Contudo, a dificuldade está, precisamente, na exigência da mudança de hábitos e de comportamentos, muitas vezes já enraizados na família.

 

Por conseguinte e de forma a sustentar uma maior adesão ao tratamento e à prevenção da doença, o nutricionista dispõe de ferramentas de apoio fundamentais à mudança destes hábitos mais prejudiciais e define estratégias alimentares específicas e adaptadas ao ambiente familiar e social onde a criança está inserida.

Referências

DGS e S. Vale, R. Ferreira, C. Lopes, C. Rêgo et al. Alimentação Saudável dos 0 aos 6 Anos Linhas de Orientação para Profissionais e Educadores. 2019. Disponível em: https://alimentacaosaudavel.dgs.pt/alimentacao-saudavel-dos-0-aos-6-anos/

Autores

Especialidades relacionadas

Nutrição
Nutrição no Trofa Saúde
Conte connosco em todos os momentos da sua vida.
MARCAR CONSULTA