Voltar

Notícias e Eventos

Destaques do Trofa Saúde

12 janeiro 2022

Ortodontia: quando iniciar?

O significado etimológico da palavra Ortodontia foi usado por ortodontistas que tinham como objetivo principal a excelência de um tratamento ortodôntico, com bom alinhamento dentário. Mas é tempo de voltarmos aos elementos fundamentais do diagnóstico e prognóstico, para darmos aos jovens uma boa oclusão, função de mastigação e estética facial. Deste modo, pergunta-se quais as crianças é que deveriam ser tratadas? Como? Quais deveriam ser encaminhadas para um especialista? Quando? Quais deveriam ser observadas para uma intervenção posterior? Porquê? Qual é a melhor época para se iniciar o tratamento das más oclusões?

Idealmente, durante a infância, os pais devem procurar a orientação de um odontopediatra, para um acompanhamento correto, assim que os dentes de leite começam a nascer. As consultas anuais são importantes para manter a saúde oral, o que por si só já previne o aparecimento de vários problemas ortodônticos. O odontopediatra, sempre que denote uma alteração anormal no desenvolvimento dentário, deverá encaminhar a criança para um ortodontista, porque um médico-dentista especializado em ortodontia poderá confirmar com rigor e precisão se e quando será necessário utilizar um aparelho ortodôntico.

Os aparelhos ortodônticos são indicados para corrigir ou prevenir disfunções na arcada dentária, problemas com o nascimento e crescimento dos dentes relacionados com a má oclusão. Sem prejuízo de não existir uma idade definida para a colocação de aparelho, há, no entanto, uma altura ideal de intervenção, mediante o problema que está na base do desalinhamento dos dentes. Segundo investigações realizadas, a criança, quando atinge os 7 anos de idade, deverá fazer uma avaliação ortodôntica. Nessa fase, os ossos do rosto ainda não estão totalmente desenvolvidos, o que potencia um tratamento ortodôntico mais eficaz.

A posição incorreta dos dentes na arcada pode ter repercussões graves na saúde, e por isso não devemos encarar o tratamento como uma solução meramente estética: alterações fonéticas e respiratórias e problemas na articulação temporomandibular são exemplos de consequências de um alinhamento incorreto da dentição.

Assim, o papel da Ortodontia Preventiva é o de orientar e conduzir o desenvolvimento craniofacial, de acordo com uma visão morfológica, estética e funcional; ao invés da Ortodontia Intercetiva, que tem por base deter um problema anormal já instalado, para que a oclusão prossiga corretamente.

Naturalmente, em alguns casos, o tratamento precoce não será necessário ou até mesmo apropriado. O profissional de saúde deverá excluir os casos em que a Ortodontia Preventiva ou Intercetiva apenas aumentarão o tempo e o custo do tratamento. São exemplo casos em que a imaturidade da criança torna o tratamento impraticável ou há diastema Interinsicivos. Nestes casos de dentição mista, o diastema interincisivo nos centrais e a inclinação distal das coroas dos incisivos laterais permanentes, na arcada superior, são condições transitórias, pertencentes ao quadro de desenvolvimento normal da oclusão.

Ainda a propósito do tratamento ortodôntico, existem dois tipos de aparelhos: os fixos e os removíveis. Os aparelhos removíveis são, por norma, utilizados nas crianças a partir dos 6 anos e são recomendáveis a crianças cujo palato (céu da boca) é estreito, dentes muito salientes, mandíbula proeminente, desvio da mandíbula ao abrir e fechar a boca, hábitos como chuchar o dedo, interpor a língua ao engolir ou usar chupeta até idades tardias, respiração oral e atrasos na erupção dentária. É um tipo de aparelho que implica um grande empenho por parte da criança e dos pais para que os resultados esperados sejam efetivamente alcançados. Os aparelhos fixos são mais utilizados a partir da fase da adolescência e são indicados principalmente para tratamentos de longo prazo. Podem ser utilizados nos casos em que apresentem uma dentição mista (presença de dentes de leite e definitivos em simultâneo) entre os 8 e 11 anos.

Para concluir, a Ortodontia, quando desempenhada na altura certa, serve de atenuante do tratamento corretivo e em algumas situações elimina mesmo a sua necessidade.

Dr.ª Ana Rita Paupério (OMD09854), Médica Dentista no Trofa Saúde Braga Centro

Voltar

04 maio 2022

As grávidas podem ir ao médico dentista?

02 maio 2022

Fratura do colo do fémur: a outra pandemia

01 maio 2022

Guerra e Saúde Mental