Skip to main content
Como lidar com as frustrações das crianças
publicado em 22 Nov. 2021

A frustração acompanha-nos desde o nascimento. Desde o simples ato de um recém-nascido chorar por não conseguir
fazer a pega correta da mama, à criança que atira com os legos ao chão porque a torre caiu, ao adolescente que não tirou a nota no teste que estava à espera, ao trabalhador que não conseguiu a promoção para a qual se tinha esforçado. A frustração é uma resposta emocional provocada pela perceção de incapacidade em obter o algo desejado. A maioria de nós já vivenciou este tipo de situações causadoras de frustração.

 

No caso dos bebés e crianças, devido à sua imaturidade, a frustração pode ser um sentimento muito difícil de conter e controlar, de modo que necessitam de ajuda dos adultos para regular as emoções mais intensas.

 

Como podemos ajudar as crianças?

 

Assegurar a estabilidade e consistência em casa.
A sensação de segurança e estabilidade permite às crianças criar os recursos emocionais necessários para lidar com as situações imprevisíveis do mundo exterior.

 

Aceitar a emotividade das crianças.
Amuar, gritar, atirar coisas são reações normais, tal como a inibição e o desejo de ficar sozinho. Ao identificar os estados emocionais, está a ajudar a criança a aguentar e a lidar com a crescente tensão emocional, por exemplo: “Eu vejo que estás triste porque o teu boneco partiu”.

 

Modular a regulação emocional.
Ao utilizar a linguagem dos sentimentos irá permitir que as crianças possam identificar melhor as emoções e ter respostas emocionais mais adequadas. Por exemplo, verbalizar “Estou zangado porque o trabalho não correu bem, mas de certeza que amanhã irá correr melhor”, em vez de explodir e dizer asneiras.

 

Incentivar as crianças a falar sobre os seus sentimentos.
Ajudar a identificar os sentimentos da criança e encorajá-la a falar sobre o que sente. Ouvir com atenção, sem fazer juízos de valor nem dar conselhos, a não ser que ela os peça.

 

Ensinar estratégias de alto diálogo positivo.
Ensinar as crianças a pensar em algo que as acalme, pensamentos que as ajudem a gerir a situação em que se encontra. Por exemplo: “Eu sou capaz de lidar com isto”; “Com mais paciência chego lá”; “Não vou deixar que isto me chateie”.

 

Ajudar a acalmar.
Ensinar a fazer três inspirações profundas e lentas e a dizer para si própria: “Pára, enche o peito de ar, acalma-te!”.

 

A frustração tem, ainda, um efeito positivo no desenvolvimento, pois, além de aprender a ser tolerante e a perceber que as ações têm consequências, a criança tornar-se-á num adulto capaz de lidar com a frustração e com melhor capacidade de adaptação às adversidades da vida.