Qual a diferença entre candidíase e vaginose bacteriana? - Trofa Saúde Skip to main content

Qual a diferença entre candidíase e vaginose bacteriana?

publicado em 16 Nov. 2022

É comum que as mulheres apresentem secreção vaginal. Contudo, quando há sintomas, precisamos saber diferenciar as principais causas para que possamos tratar adequadamente.

Candidíase

A Candidíase é uma infeção comum que ocorre quando há o crescimento da população de fungos do gênero Candida. Entre os fatores predisponentes temos a gravidez, diabetes mellitus, uso de antibióticos, obesidade, realização de lavagens vaginais higiênicas, uso de desodorizantes íntimos, vestuário inadequado (roupas apertadas e de tecido sintético) e uso de anticoncecionais orais de alta dosagem. Além disso, permanecer com fatos de banho húmidos, ter uma alimentação rica em hidratos de carbono e o clima quente também favorecem o desenvolvimento da candidíase.1

 

Os sintomas mais comuns da candidíase são comichão vulvovaginal, ardor, dor externa ao urinar e corrimento branco com aspeto talhado.

 

O tratamento deve ser feito com medidas gerais, como evitar uso de roupas justas e/ou de tecido sintético, higiene e alimentação adequadas e controlar as doenças preexistentes (como a diabetes). Pode-se também realizar banhos de assento com água e bicarbonato de sódio para amenizar os sintomas.

 

Em termos de medicamentos, o tratamento pode ser por via oral, com comprimidos como o fluconazol (exceto na gravidez), e/ou por via vaginal, com cremes ou óvulos como o isoconazol, econazol e clotrimazol. A saber que o parceiro só deverá ser tratado caso tenha sintomas.2

Vaginose Bacteriana

A Vaginose Bacteriana é a causa mais comum de corrimento vaginal anormal entre as mulheres em idade reprodutiva. Não é uma infeção propriamente dita, mas sim uma disbiose, ou seja, causada por um desequilíbrio da flora vaginal em que há crescimento excessivo de bactérias oportunistas e uma diminuição nos níveis de lactobacilos vaginais.3

 

A queixa mais frequente é a de odor desagradável, semelhante a “peixe podre”, que piora após as relações sexuais e logo após a menstruação. Outro sintoma é o corrimento, que costuma ser discreto e homogêneo, de coloração esbranquiçada, amarelada ou acinzentada.4,5

 

O tratamento da vaginose bacteriana é realizado com antibióticos como metronidazol ou clindamicina, orais ou vaginais2,3, ou com óvulos vaginais de cloreto de dequalíneo. Recomenda-se o tratamento do parceiro.6

Referências
Meyer H, Goettlicher S, Mendling W. Stress as a Cause of Chronic Recurrent Vulvovaginal Candidosis and the Effectiveness of the Conventional Antimycotic Therapy.
Workowski KA, Bolan GA. Sexually Transmitted Diseases Treatment Guidelines, 2015. www.cdc.gov/std/treatment/resources.htm
Coudray MS, Madhivanan P. Bacterial vaginosis—A brief synopsis of the literature. European Journal of Obstetrics and Gynecology and Reproductive Biology. 2020;245:143-148. doi:10.1016/j.ejogrb.2019.12.035
Verstraelen H, Verhelst R. Bacterial vaginosis: An update on Diagnosis and Treatment. Expert Rev Anti Infect Ther. 2009;7(9):1109-1124. doi:10.1586/ERI.09.87
Sobel JD. BACTERIAL VAGINOSIS. Vol 51.; 2000. www. annualreviews.org
Dequalinium for bacterial vaginosis. Drug Ther Bull. 2017;55(5):54-57. doi:10.1136/dtb.2017.5.047.