Skip to main content
Quem deve recorrer à consulta de geriatria? E o que trata?
publicado em 25 Jul. 2022

O Dia Mundial dos Avós celebra-se a 26 de julho. Esta celebração mundial tem origem no pedido de uma avó portuguesa, D. Ana Elisa Couto (1926-2007), conhecida por D. Aninhas de Penafiel, que reivindicou a instituição de uma data que valorizasse a figura dos avós.

 

Este dia visa homenagear todos os avós pelo apoio e dedicação destes à família e mostrar o quanto eles são importantes para os seus familiares.

 

Neste dia relembra-se também a importância do envelhecimento ativo, como parte de um processo de otimização das oportunidades para a saúde, participação e segurança, para melhorar a qualidade de vida das pessoas que envelhecem.

A medicina geriátrica, ou geriatria, foca-se no estudo, prevenção e tratamento de doenças características das idades avançadas. A idade-foco não é fácil de se definir, corresponde, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em Portugal e restantes países desenvolvidos, à população a partir dos 65 anos.

O envelhecimento é um processo natural e inevitável, este pode ocorrer com ou sem patologias associadas. É um processo onde ocorrem um conjunto de alterações no corpo caracterizado por um declínio mais ou menos gradual das capacidades físicas e intelectuais tornando-o mais vulnerável. Obviamente, este processo beneficia da adoção de estilos de vida saudáveis assentes na prevenção promovendo um envelhecimento saudável.

O objetivo da consulta de geriatria é a abordagem de todas as dimensões de saúde, incluindo a prevenção através da educação para a saúde, mudança de hábitos, terapêutica (caso exista) e acompanhamento. Sem descurar o acompanhamento e tratamento de doenças preexistentes no sentido de prevenir sequelas das doenças atuais.

Os sinais e sintomas abordados nesta consulta são os que mais impacto têm na saúde do idoso, como a desnutrição e fragilidade, a polimedicação e a iatrogenia, as alterações cognitivas, a depressão e o isolamento social e as quedas.

 

São sinais de alerta, para conversar com o seu médico, a diminuição do apetite e emagrecimento sem causa conhecida, alterações da memória, marcha, equilíbrio, força muscular, tristeza e desmotivação, perda de autonomia e dor não controlada.

 

Além da própria pessoa, são os cuidadores e familiares os principais interessados na qualidade de vida do idoso, sendo, por isso, necessária a sua intervenção no que diz respeito à procura de um médico capaz.

É, por isso, importante que o cuidador procure ajuda especializada com o objetivo de melhorar a qualidade de vida do idoso e melhorar a sua própria qualidade de vida como cuidador, obtendo um apoio mais técnico e científico.

A gestão do processo de envelhecimento é complexa e desafiante, principalmente quando abordada numa fase mais avançada. Por isso, a identificação precoce de fatores de risco e o diagnóstico atempado destaca-se na prevenção em geriatria.

 

Aconselhe-se com o seu médico de família. Um feliz Dia dos Avós.