Skip to main content
O que é?

Urologia é uma especialidade cirúrgica da medicina que trata do trato urinário de homens e de mulheres e do sistema reprodutor dos homens. Os órgãos estudados pelos urologistas incluem os rins, ureteres, bexiga urinária, uretra e os órgãos do sistema reprodutor masculino (testículos, epidídimos, ducto deferente, vesículas seminais, próstata e pénis). No grupo Trofa Saúde pode contar com uma equipa especializada na patologia urológica e nos meios complementares de diagnóstico e terapêuticos específicos da especialidade, com capacidade para realizar qualquer tipo de intervenção cirúrgica, sempre com a máxima confiança e segurança. A aposta na atualização científica e técnica permanente e na investigação clínica permite à equipa de Urologia do Trofa Saúde manter patamares de elevada qualidade no desempenho das suas funções, oferecendo tratamentos inovadores e acompanhamento especializado sem custos adicionais.

A Endourologia é um ramo da urologia que consiste na observação e manipulação endoscópica do trato urinário. Contrariamente à cirurgia aberta, serve-se de instrumentos de pequenas dimensões, consistindo em pequenas câmaras e canais de trabalho, habitualmente com alguns milímetros de diâmetro, que permitem o acesso a todo o trato urinário, desde o início da uretra, até ao interior dos rins, passando pela bexiga e ureteres. Pode subdividir-se em dois grandes grupos de procedimentos: diagnósticos e terapêuticos. No primeiro grupo temos as endoscopias, à semelhança das endoscopias realizadas para a observação do estômago e do cólon, onde se pode observar o interior de todo o trato urinário, permitindo fazer pequenas biópsias de lesões suspeitas e colher urina para diferentes análises; pode, por exemplo, ser utilizado para o estudo de sangue na urina e permitir identificar lesões polipóides (nódulos ou massas projetadas acima do nível da mucosa circundante na bexiga.
No segundo grupo, podemos utilizar os aparelhos endoscópicos para a realização de tratamentos, tais como a remoção de pólipos da bexiga que causam sangue na urina, a remoção de fragmentos de próstata que causam obstrução urinária, ou a fragmentação e remoção de cálculos urinários na bexiga, ureter ou no rim. Estes procedimentos terapêuticos podem ser realizados utilizando-se energia elétrica ou energia laser.
Em qualquer dos casos, para este tipo de tratamentos, não há necessidade de fazer incisões na pele, evitando cicatrizes, permitindo uma rápida recuperação, implicando menos dor no pós-operatório, tempos de internamento curtos e uma rápida retoma da vida ativa. A grande maioria das cirurgias realizadas pela urologia, hoje em dia, usam esta via de abordagem, sendo muito raro, o uso de cirurgia convencional, por exemplo, para tratamento da obstrução induzida pela próstata, ou para a remoção de cálculos.

O que trata?

Patologias frequentemente tratadas pela Urologia:

  • Doença de Peyronie – a doença de Peyronie é pouco frequente, muitas vezes dolorosa e responsável pela deformação do pénis. Os sintomas passam por: ereção dolorosa; encurvamento ou até deformação do pénis durante a ereção; presença de um espessamento num ou mais lados do pénis; disfunção erétil e encurtamento peniano. A doença de Peyronie pode tornar as relações sexuais dolorosas, difíceis ou até impossíveis, de acordo com o grau de curvatura. Poderão ser propostos vários tratamentos orais, no entanto a sua eficácia permanece muito limitada. Nos casos de desconforto evidente é recomendável uma intervenção cirúrgica.

 

  • Hiperplasia Benigna da Próstata – uma das patologias da próstata com mais expressão e prevalência é a Hiperplasia Benigna da Próstata. A hiperplasia benigna da próstata caracteriza-se pelo aumento do volume da próstata e estreitamento da uretra. Os sintomas mais frequentes da Hiperplasia Benigna da Próstata são micção frequente, dificuldade em começar a urinar, pouco fluxo de urina e ou incontinência urinária. Esta patologia pode dar origem a algumas complicações, tais como: infeções urinárias, cálculos na bexiga e insuficiência renal. Existem diversas formas de tratamento da hiperplasia benigna da próstata e alguns doentes podem não necessitar de um tratamento em si, bastando apenas serem vigiados regularmente pelo urologista.

 

  • Incontinência Urinária Incontinência é a perda involuntária de urina da bexiga em situações impróprias. A incidência de incontinência urinária na mulher aumenta com a idade e atua de forma devastadora na qualidade de vida da doente e pode ser adequadamente tratada. A perda de urina pode ocorrer de forma transitória, geralmente associada ao uso de fármacos, a infeções (infecção urinária, vaginites), a constipação ou problemas de deficiência hormonal, desaparecendo após o tratamento da causa subjacente; ou pode ser persistente ou definitiva.
    Muitas mulheres tornam-se incontinentes após o parto, histerectomia (cirurgia para retirada do útero) ou mesmo outros traumas na região pélvica. Entre os tipos mais comuns de perda de urina existe a incontinência urinária de esforço ou stress: a perda de urina ocorre quando há um aumento repentino da pressão intra-abdominal como tossir, espirrar, rir, saltar, correr ou realizar algum esforço. A Uroginecologia é uma subespecialidade da Ginecologia que trata problemas relacionados com disfunções ginecológicas e do âmbito urológico.

 

  • Litíase renal – a litíase renal é uma doença causada pela formação de depósitos de minerais, habitualmente conhecidos como “pedras nos rins”, sendo mais frequente nos homens do que nas mulheres. Estes cálculos que se formam nos rins podem começar a deslocar-se através das vias urinárias até à bexiga. Alguns cálculos de pequenas dimensões podem ser expulsos na urina de forma espontânea. Os cálculos de maiores dimensões podem não conseguir passar através do aparelho urinário, tendo de ser removidos pelo médico. O sintoma mais típico da litíase renal é a dor, chamada cólica renal, que surge precisamente devido à descida e passagem do cálculo através das vias urinárias. O tratamento da litíase renal depende do tamanho do cálculo, da sua composição (do tipo de mineral que o constitui) e das possíveis complicações que lhe possam estar associadas (por exemplo, se o cálculo tiver uma infeção associada).

 

  • Litíase urinária – a litíase urinária, é uma doença onde se verifica a formação de cálculos, vulgarmente denominados “pedras”, no aparelho urinário. Estes cálculos são estruturas sólidas que resultam da aglomeração de cristais. A litíase urinária é mais comum no sexo masculino, podendo ser causada devido a problemas genéticos, metabólicos, ingestão de poucos líquidos, sedentarismo e alimentação deficitária. O tratamento da litíase urinária, por norma, é feito em três fases. Na primeira fase procura-se o tratamento urgente para alívio da dor gerada pela cólica renal. De seguida, faz-se o tratamento da litíase em si pela com remoção do(s) cálculo(s) existentes. E, por último, executa-se o tratamento profilático ou preventivo da formação de novos cálculos.

 

  • Oncologia Urológica – a Oncologia Urológica encarrega-se da prevenção, diagnóstico, investigação, tratamento e seguimento dos tumores malignos do sistema genitourinário do adulto, com especial enfoque no cancro da próstata, neoplasias da bexiga, tumores do rim, e carcinoma do pénis e testículo. Atualmente, a prática clínica na área da oncologia urológica baseia-se em protocolos internacionais com forte evidência científica e muitos dos tratamentos cirúrgicos onco-urológicos realizam-se por meio de técnicas minimamente invasivas.

 

  • Vasectomia – a vasectomia é um método de anticoncepção masculina que consiste na interrupção cirúrgica dos tubos (canal deferente) responsáveis pelo transporte dos espermatozoides do testículo para a uretra. É um procedimento bilateral, com duração de cerca de 30 minutos, realizado com anestesia local, locoregional ou geral, em regime de ambulatório. É efetuado através de dois pequenos cortes ao nível escrotal que permitem o isolamento, cauterização, corte e laqueação do canal deferente. Trata-se de um método seguro, com baixa taxa de complicações, com rápida recuperação e que permite retorno precoce às atividades diárias. O tratamento destas doenças faz parte da prática clínica diária do urologista que tem ao dispor os equipamentos e técnicas mais recentes e avançadas para tratamento da patologia urológica.

 

  • Varicocelo – o varicocelo corresponde à dilatação e tortuosidade das veias espermáticas internas do cordão espermático(“varizes das veias do testículo”).

 

É frequentemente encontrado em adolescentes e adultos saudáveis. O varicocelo contribui significativamente para o risco de infertilidade em alguns indivíduos.

 

  • Urologia no Idoso – as pessoas mais idosas apresentam substancial incidência de problemas urológicosno que concerne, principalmente, a disfunções miccionais e função sexual. Importa salientar que as patologias urológicas afetam não só o trato urinário e genital dos homens como também das mulheres. Entre as patologias que acometem ambos os géneros, podemos destacar a bexiga hiperativa, cancro da bexiga, cancro do rim, dificuldade em urinar, infeção urinária e a litíase renal. Existem, contudo, patologias específicas do homem, entre as quais a hiperplasia benigna da próstata, cancro da próstata, disfunção erétil e postatite; e patologias que só ocorrem em mulheres como por exemplo a fístula vesico-vaginal e os prolapsos vaginais. Em idades mais avançadas, aconselha-se a visita ao urologista com frequência de modo a prevenir as principais patologias e tratar as que se verificarem, a fim de melhorar a qualidade de vida da pessoa.
ver mais
ver menos